Google+ Followers

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

No final

No final
Já com a sombra disforme
Pensamentos conforme
É predito pra estar
No final
Quando apago a lembrança
E o peito descansa
De tanto soluçar
No final
Quando a alma endireita
E a cabeça refeita
Finalmente,
Volta a pensar
No final
Pareço estar novo
Então começa teu jogo
Ao você, de mim,
Se reaproximar
Meu relógio parado
No pulso, o passado
Quando o presente
Éramos nós
As flores do jardim
Meus olhos que esperaram
A tua volta
O lírio dos seus lábios
A flor de mim
Te afo e te quero
E te tenho em meus braços
Te faço um xamego
Te cuido e te beijo
Sem nós, nossos laços
Meu Van Gogh em você
Impressionismo da solidão
Quadro desesperador
Preso na tela do amor
Sou eu vivendo sem te ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário